Melhores formas de pagamento para ecommerce

29 de janeiro de 2019
Tempo de leitura14 minutos
Eduardo S.
Eduardo S.
Redator

Conhecer quais são as melhores formas de pagamento para ecommerce é tão importante quanto escolher o que vender na sua loja virtual.

Os meios de pagamento influenciam nos custos operacionais de qualquer negócio, além de ser o último passo na jornada de compra do cliente. Porém, com tantas opções disponíveis no mercado, como saber qual a melhor e mais vantajosa?

Existem diversos pontos que devem ser considerados neste processo. E neste artigo, vamos te mostrar quais as melhores meios de pagamento para ecommerce e como escolher.

Imagem com várias mãos segurando cartão, dinheiro e cheque

Qual a importância de se escolher as melhores formas de pagamento para Ecommerce?

Como falamos, saber sobre as melhores formas de pagamento é tão importante quanto escolher o que vender e oferecer no seu ecommerce.

Conhecer a fundo a sua persona é fundamental. Pois, cada pessoa tem uma costumes diferentes, e estudar quais as preferências do seu público-alvo em termos de pagamento vai ajudar a escolher o melhor meio de pagamento para seu ecommerce.

Saber sobre os melhores meios de pagamento é tão importante quanto a escolha dos produtos que serão oferecidos no Ecommerce.

Outro ponto importante é levar em conta as previsões de fluxo de caixa, pois nem sempre o repasse dos recursos para a conta do e-commerce acontece de imediato.

Quais as melhores formas de pagamento para Ecommerce?

Quando se pensa nas melhores formas de pagamento para ecommerce, é preciso levar em consideração a preferência dos clientes, afinal, este é um recurso que tem como objetivo dar mais praticidade para a experiência do usuário.

Segundo relatório feito pela Worldpay, o meio de pagamento mais usado no Brasil é o cartão de crédito, usado em 45% de todas as transações. Em seguida estão as carteiras digitais, que são usadas em 16% das compras.

O cartão de débito vem em seguida, com 14%, e o cartão pós-pago e as transferências bancárias correspondem a 11% do mercado, cada. Porém, existem inúmeras formas de pagamento, separamos os melhores meios de pagamento para ecommerce. Confira!

imagem de uma pessoa tirando dinheiro de um celular

1. Payoneer

Se você tem uma loja virtual e faz vendas internacionais e ganha em dólar, por exemplo. Com a Payoneer é possível receber seus pagamentos internacionais e transferir para a sua conta local, sem custos de abertura ou manutenção.

A Payoneer permite receber pagamentos em diversas moedas, possibilitando você expandir seu negócio para marketplaces internacionais. Independentemente da forma de pagamento do seu cliente, com a Payoneer todos os pagamentos são 100% seguros e rápidos.

2. Boleto bancário

De acordo com o Moip, empresa de soluções de pagamentos, o boleto bancário é o segundo meio de pagamento mais usado em compras na internet.

Essa forma de pagamento para ecommerce é muito simples, basta o cliente imprimir o boleto ao final da compra e pagá-lo como desejar, seja pelo aplicativo do banco, casas lotéricas, entre outros. Essa é uma das melhores formas de pagamento para ecommerce para clientes que não possuem cartão de crédito.

Sabendo da diversidade econômica do brasileiro, enquanto muitos compram tudo online por cartão de crédito, muitos optam pelo boleto bancário, às vezes por não possuir um, ou não ter um limite de crédito muito alto. Essa forma de pagamento é excelente para atrair esses clientes,

Após realizar o pagamento, geralmente o banco leva entre 2 e 3 dias úteis para liberar o valor ao lojista. Dessa forma, o envio do produto é confirmado apenas após essa liberação.

3. Cartão de crédito

Ainda de acordo com o estudo feito pelo Moip, a cada dez compras online, sete são concluídas utilizando um cartão de crédito. Para essa forma de pagamento para ecommerce, o cliente precisa digitar os dados do cartão e, após aprovação do crédito, a compra é concluída.

Graças a sua flexibilidade, facilidade e velocidade para efetuar o pagamento das compras online, essa opção é uma das favoritas dos consumidores.

Atualmente, muitos e-commerces já permitem que o cliente salve os dados do cartão após uma compra, para que ele não precise digitar sempre que for comprar outro produto. Isso é uma excelente forma de fidelizar os clientes com a sua marca.

Como a aprovação ou rejeição do pagamento é feita poucos minutos após a validação do cartão, o envio do produto acaba sendo feito muito mais rápido.

4. Débito em conta

Essa forma de pagamento para ecommerce funciona com transferência entre contas. O consumidor digita os dados da conta e a senha bancária e o banco autoriza a transferência do valor da compra para a conta da loja.

Esse meio de pagamento é uma opção a vista tão segura quanto a utilização do boleto bancário. Graças a agilidade dessa operação, a liberação e envio do produto acontece em um menor espaço de tempo.

Os boletos bancários acabam possibilitando que o cliente postergue a decisão da compra, a opção do débito em conta tira essa possibilidade. Por isso, é um dos meios de pagamento que mais funciona para quem está totalmente decidido a realizar uma compra.

As transferências costumam demorar 24 horas úteis para serem efetuadas, fazendo com que o envio do produto também não seja nada demorado.

imagem de uma mão segurando dinheiro saindo de um celular e vários ícones de cartão

5. Gateways de pagamento

Outra opção entre as melhores formas de pagamento para o ecommerce são os gateways. Eles possibilitam que as lojas tenham todas as opções de pagamento em um único sistema.

O consumidor escolhe como deseja pagar, seja boleto, cartão de crédito, débito em conta, entre outros. E os sistemas transferem o valor pago para a conta do lojista.

O gateway faz a conexão entre o e-commerce e os meios de pagamento. Dessa forma, o lojista faz o contato com as operadoras de cartões e bancos, enquanto o gateway realiza a comunicação entre sua empresa e os sistemas bancários.

Então, os pagamentos feitos pelos consumidores são transferidos diretamente para a conta da sua loja. Nesse caso, cabe ao lojista aprovar cada compra, definir as opções de parcelamento e assumir os riscos de cada operação.

Algumas empresas que oferecem esse serviço são: Cielo, Adyen, Pagar.me, Braspag, Vindi e Yapay.

6. Intermediadores

No caso dos intermediadores, os comerciantes não precisam se filiar às operadoras de cartões e bancos. Então, quando um cliente faz uma compra, quem recebe o pagamento é o intermediador. Assim, o sistema é quem fica responsável pela aprovação e pelo repasse do valor da venda ao lojista.

O sistema de pagamento via intermediadora é tão seguro quanto aqueles utilizados para pagamentos com cartão, além de ser possível pagar com boleto bancário. Por isso, muitas pessoas confiam nesse meio de pagamento para ecommerce.

Da mesma forma que o Gateway, é uma ótima forma de organizar todas as operações financeiras do seu Ecommerce, para que trabalhem em conjunto.

A diferença é que os riscos de cada operação são responsabilidade do sistema contratado, e não do lojista, o que atrai muitos empreendedores a escolherem essa forma de pagamento para ecommerce. Alguns exemplos de empresas que oferecem esse serviço são: PagSeguro, Paypal e Bcash.

7. PIX

Lançado em 2020 pelo Banco Central, o PIX é um sistema que permite transações em tempo real, 24 horas por dia, sete dias por semana.

Diferente de outros tipos de transferência bancária ou até mesmo boleto bancário, o PIX cai no mesmo momento do seu pagamento, ou seja, instantaneamente.

Desde a sua implementação, esse método de pagamento se tornou um dos preferidos dos consumidores de e-commerce. 

Como posso integrar meu ecommerce a meios de pagamento online?

Não existe uma resposta correta. Tudo irá depender de qual plataforma de e-commerce você utiliza, quais suas integrações e quais são as necessidades do seu negócio. De maneira geral, há quatro formas de conectar uma loja virtual a meios de pagamento.

imagem com várias formas de pagamento, como cartão, moeda, dinheiro

Intermediador de pagamento

Como falamos, o intermediador de pagamento são plataformas que conectam o cliente, o vendedor e as instituições financeiras. Como por exemplo, o PagSeguro, PayPal e Mercado Pago.

Esse tipo de serviço é o mais indicado para quem está começando uma loja virtual, devido a sua grande simplicidade. Entre as vantagens podemos destacar o antifraude integrado e a praticidade. Por outro lado, o ponto negativo fica por conta das taxas, que costumam ser um pouco mais altas.

Gateways de pagamento

Essa integração faz uma conexão direta entre ecommerces e instituições financeiras. São ferramentas indicadas para quem deseja ter muito controle sobre os pagamentos, geralmente usado por empresas de médio ou grande porte.

Por outro lado, os gateways de pagamento não contam com antifraude integrado, ou seja, é necessário contratar um serviço à parte. Apesar de contar com taxas menos que os intermediadores, essa integração exige mais conhecimento do lado da loja virtual.

Provedor de Serviços de Pagamento

O PSP (Provedor de Serviços de Pagamento) é um sistema criado para minimizar as falhas dos gateways e dos intermediadores de pagamento. Sendo assim, é possível aproveitar as vantagens de cada solução.

Contratos com adquirentes

Essa opção é mais indicada para empresas já consolidadas, por ser um pouco mais burocrática. Ela consiste em fazer contrato diretamente com as adquirentes, empresas como Stone, Rede, Cielo, para conquistar melhores taxas.

A princípio, toda a parte antifraude fica sob responsabilidade dos comerciantes, que também podem contratar esse serviço da adquirente, caso esteja disponível.

Tenha atenção às taxas

Como falamos anteriormente, a escolha das formas de pagamento influencia diretamente nos custos de um Ecommerce. Cada serviço tem um custo para o comerciante. Nessa hora, é preciso analisar qual opção oferece a melhor relação de custo e benefício:

  • Boleto Bancário: custa em torno de R$ 4,00 para cada boleto pago (o valor varia de acordo com o banco);
  • Cartões de crédito: paga-se uma mensalidade em torno de R$ 100,00 somada a uma taxa média de 4% sobre o valor da fatura (esse percentual varia de acordo com as operadoras de cartões);
  • Débito em conta: custa em torno de R$ 0,50 por operação concretizada (o valor varia de acordo com o banco);
  • Gateways: Eles têm uma cobrança fixa, a partir de R$ 0,65, por transação efetuada pelo Ecommerce.
  • Intermediadores: Cobram um valor percentual sobre cada venda, que varia entre 1,9% até 6,4% do total da operação (o valor oscila de acordo com a empresa de pagamento).

Em todos os casos, são necessários que os custos de todas as operações bancárias sejam incluídos no custo geral do Ecommerce. Não levar em consideração esse valor pode ser fatal para o seu negócio.

Quais cuidados devo ter na hora de encontrar as melhores formas de pagamento para Ecommerce? 

Para te ajudar a encontrar as melhores formas de pagamento para Ecommerce, listamos os principais cuidados que você precisa ter na hora de escolher. Veja só: 

  • Verifique se o meio de pagamento possui Checkout Transparente;
  • Verifique se o checkout tem fácil integração com a sua plataforma de Ecommerce; 
  • Priorize ferramentas que tenham boa usabilidade;
  • Leve em consideração o prazo de recebimento do pagamento;
  • Compare as tarifas do mercado;
  • Busque por meios de pagamentos seguros.

Como escolher as melhores formas de pagamento para ecommerce?

Não podemos dizer que uma forma de pagamento é melhor que a outra. Você deve analisar as vantagens e desvantagens de cada uma, sempre considerando se a opção atende as necessidades do negócio.

Sempre leve em consideração que públicos variados utilizam recursos variados. Assim, a restrição a uma única forma de pagamento para ecommerce acaba por afugentar o cliente do seu site.

De qualquer forma, vale a pena levar em consideração os critérios que citamos a seguir para escolher a melhor forma de compor as formas de pagamento do seu ecommerce.

1. Entender o perfil do público

Entender o comportamento do seu público em relação às finanças pessoais é essencial. Existem aqueles que adoram um bom desconto, enquanto outros optam por parcelar ao máximo uma compra mais alta.

Mas também existem aquelas pessoas que sequer têm cartão de crédito. Considerando esses diferentes perfis, é sempre necessário que você saiba com quem está lidando. Caso você não tenha essas informações, faça uma pesquisa de acordo com o público.

Compradores mais jovens tendem a utilizar meios mais modernos, como cartões e carteiras digitais, por exemplo. Analise os dados de quem já é cliente a fim de entender qual é a forma de pagamento mais usada.

2. Analisar o mercado

Além de conhecer seus consumidores, você também deve buscar entender quais são as soluções de pagamento mais utilizadas em seu nicho de mercado. O que seus concorrentes oferecem, se todos trabalham com débito online, por exemplo.

Também é importante analisar as tendências do mercado, como as carteiras digitais. Apesar de não ser um meio de pagamento popular atualmente, usá-lo agora pode deixar seu ecommerce um passo à frente dos concorrentes.

Lembre-se de sempre avaliar os prós e contras de cada forma de pagamento e-commerce antes de adotá-la em seu negócio.

3. Verificar a cobrança de taxas

Existem diversas formas de pagamento e-commerce. Praticamente todas cobram taxas diferentes, como mostramos anteriormente. O mais importante é conseguir equalizar as taxas com a vantagem de qualquer meio de pagamento que você vá escolher.

Por exemplo, pode acontecer de ser mais vantajoso pagar um pouco mais por um intermediador de pagamentos, do que investir em um sistema antifraude próprio.

4. Pesar as diferenças nos prazos

Cada meio de pagamento trabalha com diferentes prazos. O débito online e o PIX são os mais rápidos, pois são feitos de uma conta para outra. Já o boleto, é preciso levar em consideração o prazo para o cliente pagar e o banco compensar, geralmente leva 72 horas úteis.

Apesar da aprovação do pagamento ser rápida, o cartão de crédito tem um prazo de recebimento, o que influencia no caixa da loja virtual e exige planejamento para não errar nos prazos. Informe-se com as operadoras e os intermediadores sobre o pagamento.

Muitos bancos e bandeiras oferecem serviço de antecipação de recebíveis, onde você recebe o valor de uma compra feita no cartão de crédito no mesmo prazo de uma realizada via débito.

Entretanto, o problema é que as taxas podem ser incrivelmente altas, corroendo a lucratividade no negócio. O ideal, portanto, é só lançar mão desse recurso em casos extraordinários.

5. Avaliar a facilidade de integração

Analise a facilidade de integração entre a forma de pagamento e sua plataforma de ecommerce. Meios de pagamento, como intermediadores, boleto e débito online, até são integrados facilmente, porém o cliente normalmente é levado a um ambiente externo para finalizar a compra.

Os gateways de pagamento podem ser adicionados na interface da sua loja virtual, melhorando a experiência do usuário. Eles fazem a integração entre sua plataforma, instituições financeiras e operadoras de cartão de crédito, oferecendo a forma de pagamento desejada.

6. Considerar a experiência do usuário

Basicamente, quanto mais fácil for para o consumidor realizar o pagamento, mais vendas serão realizadas.

Por exemplo, o boleto gera empecilhos, visto que é preciso ir até o banco, seja numa agência ou no aplicativo do banco no celular ou no computador, para finalizar a compra. Já o cartão de crédito só exige o preenchimento de dados em um formulário.

Outro aspecto determinante na experiência do usuário é o checkout transparente. Se você optar pelo intermediador de pagamento, o cliente é redirecionado para outro site, processo que está relacionado com maiores taxas de abandono de carrinho nesse meio de pagamento.

Por outro lado, o gateway e adquirente, garantem que o cliente possa concluir a compra no próprio site da loja virtual, o que aumenta a confiança do consumidor no e-commerce.

7. Examinar a segurança para o lojista

Esteja atento às possibilidades de fraudes. Soluções de pagamento mais robustas e maduras costumam oferecer sistemas para identificar a origem das transações e detectar fraudes em cartões de crédito, o que garante transações seguras para o lojista.

Como falamos, o intermediador de pagamento já oferece um sistema antifraude atrelado, pois é ele que recebe o pagamento. Assim, nos casos de fraude, ele também é o parceiro que tem o prejuízo.

Por outro lado, uma desvantagem é que, devido a essa característica, o sistema é mais rígido, podendo rejeitar mesmo transações idôneas.

Apesar de exigir o investimento em um antifraude, aumentando os custos de implementação, o gateway de pagamento conta com outras tecnologias para aumentar a segurança das transações, como servidores protegidos por firewalls reforçados e sistemas de criptografia de dados nas duas pontas.

Independentemente da forma de pagamento escolhida, o ideal é alertar aos clientes antes que eles cheguem à página de pagamento, seja no rodapé do site ou na página do produto.

Esse cuidado, apesar de bastante simples, evita a frustração do consumidor por não conseguir comprar do jeito desejado e também a frustração do lojista pelo aumento do abandono de carrinho.

Conheceu as melhores formas de pagamento para ecommerce?

Esperamos que este artigo tenha te ajudado a encontrar as melhores formas de pagamento para ecommerce e que com as dicas você consiga escolher as melhores para a sua loja virtual.

Se você está começando seu ecommerce, é fundamental estar presente nas redes sociais. Por isso, confira nosso artigo sobre como vender no Instagram e potencialize suas vendas.

Compartilhe com seus amigos!
Gostou do que leu?
Cadastre-se e teste o JivoChat agora mesmo!
É grátis e só leva alguns minutos para fazer o download