Como trabalhar o branding de uma empresa?

Índice

Já não é possível ignorar a importância do marketing e da divulgação de uma marca para que a empresa cresça, seja qual for o segmento dela. O que poucos empresários ou gestores sabem é como o branding pode ajudar e muito nesse esforço geral.

De fato, também é muito comum acontecer uma confusão não somente em relação ao que seja o branding, ou qual seu papel. Mas também na relação entre ele, o marketing e a publicidade, confusão que geralmente impede bons resultados.

Basta imaginar o caso de uma empresa de jardinagem e paisagismo, que se quiser fazer um redesign de sua marca, ou simplesmente ampliar suas estratégias e resultados, certamente precisará ter uma clareza bem maior sobre esses mesmos conceitos.

Neste sentido, o papel do branding é muito anterior ao do marketing, servindo mesmo como uma base de todo e qualquer esforço de divulgação da marca. Ou seja, antes do marketing e da publicidade é preciso que venha ele, como princípio geral.

Isso vale de modo especial para o momento em que vivemos, que é de disseminação da internet, democratização dos veículos de mídia e aumento exponencial da concorrência e da competitividade.

Para confirmar isso basta abrirmos um motor de busca como o Google, o Bing, o Yahoo! ou o Ask Brasil, que são os mais utilizados em nosso país, e pesquisar algo como manutenção de banheira jacuzzi, que é um serviço bem específico.

Ainda assim, em poucos segundos encontramos centenas ou milhares de resultados, alguns deles com a função de geolocalização, que estimula o cliente a ir até o local pela função de GPS do celular, aumentando as chances de negociação.

Justamente, diante de tal cenário de novidades e desafios para as marcas que desejam se destacar, é fundamental falar sobre como trabalhar o branding da sua empresa, tal como vamos explicar neste texto.

Um ponto muito importante é não ficar apenas em definições técnicas, ou apenas em exemplos e ilustrações concretas. Por isso ficamos no meio termo, trazendo as bases conceituais, mas também exemplos práticos de como executar.

Inclusive, um aspecto bastante interessante quando o assunto é branding é o fato de que, hoje em dia, esse recurso já evoluiu tanto que é possível aplicá-lo a qualquer segmento, seja para quem vende móveis para escritório ou para quem fabrica os mesmos móveis.

Por essa razão, se o seu objetivo é compreender de uma vez por todas como uma estratégia relativamente simples pode mudar radicalmente sua empresa, fortalecendo a marca e fazendo ela se destacar na multidão, basta seguir até o fim da leitura.

Branding: o que significa?

Em inglês, o sufixo ing tem um sentido de movimento ou prática. Assim, marketing significa algo como “fazer mercado”, no sentido de participar dele. Do mesmo modo, branding seria “fazer a marca”, no sentido de fundação dela.

A partir dessa definição básica, já vemos uma distinção enorme entre esses dois recursos tão importantes na fundação de uma marca, ou na busca por melhorias.

Inclusive, uma das grandes vantagens do branding é justamente o fato de que, tecnicamente, ele pode ser feito a qualquer momento. Ou seja, embora o ideal seja fundar a marca e iniciar as operações já com ele pronto, é possível começá-lo depois.

Por exemplo, uma empresa que atua há muito tempo na área de assessoria contábil pode utilizar as dicas e princípios básicos dessa estratégia para redefinir sua posição no mercado, funcionando mais ou menos como uma recriação.

Basta lembrar que o trato com a marca e sua relação com o aspecto comercial tem quatro pilares essenciais:

  • O branding;
  • O marketing;
  • A publicidade;
  • As vendas.

Esta última etapa é a mais evidente e também a mais universal, por ser a mais buscada de todas, e aquela sem a qual realmente nenhuma empresa jamais poderia existir. Afinal, todos buscam conquistar novos clientes e fechar negócios.

Já a publicidade sobe um nível na complexidade, lidando com anúncios, propagandas, patrocínios e, mais recentemente, o impulsionamento que a internet permite, especialmente quando o assunto são redes sociais e motores de busca.

O marketing, por sua vez, é um pouco mais teórico e conceitual, embora também tenha uma frente bastante prática quando comparado ao branding. Neste sentido, se a publicidade lida com ações práticas, ele opera com campanhas e ações mais abrangentes.

Por fim, o branding é quem dá a sustentação para tudo isso, ajudando a definir pontos essenciais como a cultura organizacional ou corporativa da empresa, bem como sua filosofia de trabalho e a famosa identidade verbal e visual.

Dando os primeiros passos

Depois de entender que o branding atua mais ou menos como a base da marca, fazendo o papel de um solo no qual as demais edificações serão erguidas, já é possível aplicá-lo.

O primeiro passo é justamente o da filosofia da marca. Se prestarmos bem atenção, veremos que hoje em dia as grandes marcas do mundo já não vendem apenas com um produto ou serviço, mas sim um estilo de vida.

Com isso, o que elas fazem é buscar um engajamento por parte da clientela, até que cada um se torne não apenas um consumidor satisfeito, mas evangelizado. Ou seja, disposto a defender aquela marca e disseminá-la entre seus conhecidos.

Para isso, realmente não basta uma transportadora fazer uma entrega super rápida, é preciso que junto ela tenha um branding muito bem formado.

Assim, o cliente vai entender que aquela empresa tem uma missão no mercado, com visão e valores que valem a pena ser compartilhados. Basicamente, a pessoa se sente parte de algo maior, e encontra sentido em tudo isso.

Quando os maiores cases de sucesso vêm à nossa mente, sejam eles da área de tecnologia, roupas esportivas ou refrigerante, logo percebemos que esse é o grande diferencial. Portanto, uma marca que queira crescer também precisa desenvolver isso.

Identidade verbal e visual

O que detalhamos acima é a essência de uma identidade verbal bem feita, pois muitas marcas acabam se esquecendo dessa fase e negligenciam esse aspecto, pulando logo para o sentido mais prático do termo.

Considerando a importância da filosofia da marca, basta resumi-la em termos de missão, visão e valores. Depois, o aspecto mais prático da identidade verbal se divide em dois: o naming e o slogan (ou tagline).

No primeiro caso, uma empresa de lavagem de colchão define ou redefine o seu nome fantasia, que é aquele que aparece para o público. 

O slogan é conhecido de todos, apenas lembrando que ele precisa ser fixo, ao passo que a tagline pode mudar muitas vezes.

Já a identidade visual é criada em cima disso, com a diferença de que aqui é preciso escolher as cores e formas. Por exemplo, uma paleta que prefira o verde e outras duas ou três cores secundárias que harmonizam com ele.

Vale lembrar que cores quentes são mais chamativas e puxam para um público descolado, talvez juvenil e informal. Já as cores frias são mais sóbrias e vão bem com segmentos como saúde, consultoria, advocacia e nichos mais sérios.

As formas dizem respeito a elementos como a tipografia. Assim, letras e traços retilíneos combinam com cores frias, ao passo que traços mais arredondados são descontraídos.

Endomarketing e diferencial

Depois de ter cultura organizacional, filosofia de trabalho e até identidade verbal e visual, é possível dar um passo além e tornar tudo isso um pouco mais efetivo.

Geralmente, as empresas e gestores saltam do branding para o marketing, mas há um grande diferencial que é fazer uma ponte entre essas duas coisas.

Aí é que entra o endomarketing, com o qual uma empresa que instala Expositor de acrílico conquista antes de tudo a aprovação dos próprios funcionários.

Ou seja, é um marketing interno, como o próprio nome sugere. De fato, se a marca não consegue a credibilidade dos próprios colaboradores, como conseguir a dos clientes?

Sobre vantagens e benefícios

Por fim, até aqui já ficaram claras as vantagens e benefícios de trabalhar o branding como prioridade na fundação ou renovação da sua marca.

Mas tem um fator que precisa ser referido, que é a questão da sinergia com as novas gerações, também conhecidas como Y e Z.

De fato, quando uma empresa de locação de grupo gerador vai discutir as bases da sua marca, ela precisa considerar que hoje sua clientela é composta de gente que já cresceu com celular e tablet nas mãos, o que muda tudo.

É justamente nesse sentido que o branding avança, tornando a marca mais amigável e mais humanizada perante o público. O que também atende as expectativas de uma geração que busca soluções e experiências memoráveis.

Conclusão

Atualmente, a marca que deseja se diferenciar na multidão de empresas existentes precisa ter um diferencial, como uma filosofia e uma identidade arrasadoras.

Com os conceitos fundamentais e os conselhos práticos que trouxemos acima, vai ficar muito mais fácil dar os passos iniciais e trabalhar o branding rumo ao sucesso.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Início Blog Marketing Como trabalhar o branding de uma empresa?
Se você curtiu esse artigo você também pode gostar desses ...
Comece a usar o JivoChat hoje!
Gostou do que leu?
Cadastre-se e teste o JivoChat agora mesmo!
É grátis e só leva alguns minutos para fazer o download