10 alternativas ao Amazon para sua ecommerce

Índice

Como a maioria das gigantes do ecommerce, a Amazon permite que cadastre sua loja e venda seus produtos através dela, cobrando uma tarifa por produto vendido. A solução é boa por conta da grande visibilidade e acessos da loja, mas claro que também possui suas desvantagens.

Uma delas é a taxa de mercado, que varia de acordo com os produtos que planeja vender. A outra é a política das próprias plataformas, que podem mudar sem o menor aviso ou impor restrições que prejudicam seu negócio. É como ter um quiosque dentro de uma grande loja: você pode ser independente, mas está sujeito às regras e conveniência do dono do terreno. Por isso, confira abaixo 10 alternativas ao Amazon para sua ecommerce!

Dica: Antes de ler, confira nosso texto como calcular o valor do tempo de vida do cliente em ecommerce!

1. eBay

Assim como a Amazon é uma das principais alternativas ao eBay, o inverso também se aplica aqui. Apesar de ter um custo maior do que a Amazon e possuir os mesmos problemas - apesar da mesma visibilidade, o que é um bônus -, o eBay também permite sediar leilões de seus produtos, oferecendo mais uma alternativa para sua vendas. O modelo pode ser útil para se livrar rapidamente de itens que estão por muito tempo em seu estoque, por exemplo. Clique no link para acessar o eBay e conhecer seu modelo.

eBay

2. Rakuten

Uma das maiores plataformas de ecommerce junto ao próprio Amazon e ao eBay, o Rakuten também está disponível globalmente, inclusive no Brasil. O site conta com opções em diferentes categorias como vestuário e eletrodomésticos e, diferente dos exemplos citados, seu foco está em um sistema de fidelidade, dando pontos para cada compra. O site possui dois tipos de plataformas pagas para atender sua ecommerce, uma para iniciantes e outra para vendedores já estabelecidos. Uma de suas vantagens é permitir que, em ambos os planos, use domínio próprio. Ou seja, é possível criar sua própria ecommerce através dele. Conheça o Rakuten.

3. Overstock

Uma plataforma criada para revender produtos encalhados de ecommerces que estavam encerrando suas atividades, o Overstock passou a também vender itens novos de lojas virtuais em atividade. O Overstock também permite a venda de produtos usados em diferentes categorias. Por outro lado, seu formulário para começar a vender permite apenas o cadastro de empresas americanas e canadenses, servindo apenas para fazer compras em países que não estão nesse eixo. Conheça mais do Overstock em em sua página oficial.

Leia também: Como tirar fotos excelentes de seus produtos para ecommerce

4. Grandes redes varejistas

Se o objetivo não é mudar totalmente à maneira como realiza suas vendas online, mas diversificar seus ganhos, é possível se cadastrar também em grandes redes varejistas, como o Submarino ou Lojas Americanas no Brasil ou Best Buy e Walmart nos Estados Unidos, por exemplo. Vale a pena fazer uma pesquisa sobre as políticas internas para fornecedores, assim como as taxas aplicadas por esses negócios, antes de decidir qual (ou quais) grandes redes planeja se inscrever.

WalMart

5. Mercado Livre

Um dos maiores sites para leilões e ecommerce na América Latina, o Mercado Livre chegou ao continente como alternativa ao eBay, já que a plataforma americana ainda é muito limitada para envios fora dos Estados Unidos. Isso tornou o Mercado Livre uma opção que ainda é bem mais viável do que o correspondente americano.

Os brasileiros ainda contam com mais uma vantagem através do Mercado Pago, serviço de pagamento digital que traz maior segurança às compras, agindo como um intermediário entre o pagamento e o recebimento da mercadoria. Ou seja, o Mercado Pago recebe o pagamento, o vendedor envia ao comprador e, quando o produto for recebido, o Mercado Pago libera o pagamento ao vendedor. Conheça mais sobre o Mercado Livre no site.

6. Enjoei

Uma tendência que vem ganhando força, o Enjoei é uma espécie de “venda de garagem” online, promovendo vendas de produtos novos - normalmente produzidos de maneira artesanal - e usados. Caso seja um produtor procurando vender itens de criação própria, sites como o Enjoei podem ser de grande ajuda, já que normalmente trazem um público mais engajado, mesmo que seja menor aos de grandes redes varejistas ou sites como o eBay ou Mercado Livre. Entenda mais sobre como a plataforma funciona clicando no link.

Veja também: Como integrar a conta pública do Viber ao Jivochat

7. Estante Virtual

No início, o Amazon se focava apenas na venda de livros e ebooks, um foco que permanece até hoje. Embora nos Estados Unidos ela venda de tudo, a Amazon do Brasil, por exemplo, ainda têm seus maiores resultados nessa área. Apesar disso, ela não é a única do setor. A Estante Virtual é uma plataforma brasileira de comércio de livros novos e usados, servindo como uma espécie de sebo online. O Estante Virtual conta com planos mensais que começam no valor de R$ 49,90 até R$ 159,00, destinado às livrarias de maior acervo.

8. Selz

Assim como o Estante Virtual, o Selz é focado na venda de livros, mas com uma aproximação diferente em relação ao Estante e o próprio Amazon. A plataforma de ecommerce é focada nos trabalhos autorais, oferecendo soluções menos custosas para quem deseja publicar de maneira independente. O Selz toma conta de todo o processo de venda, incluindo hospedagem do arquivo, processo de checkout e links para download em diversos formatos, oferecendo mais opções aos compradores.

Vale lembrar que também é possível abrir sua ecommerce apenas para vender livros, mesmo que não seja um autor. Clique no link para conhecer o Selz, que conta com período gratuito de 14 dias para testes

Selz

9. iBooks

Última das opções dedicadas ao comércio de livros, não é necessário manter estoques de livros físicos, focando-se apenas no digital. A Apple possui uma plataforma própria para venda de ebooks. Embora não sirva para donos de livrarias ou ecommerces, lançar seu trabalho autoral na Apple pode ser uma boa opção, devido à sua grande visibilidade. Porém, mesmo nos dispositivos móveis poderá encarar problemas como grande concorrência, principalmente com best sellers já consolidados. Confira a página de suporte do iBooks para saber como publicar seus livros na loja virtual.

Não deixe de ler: 11 dicas para ter um negócio na internet sem gastar muito

10. Sua própria ecommerce

Vamos finalizar esse texto da mesma maneira que fizemos no texto sobre as alternativas ao eBay. Fazemos isso para salientar a importância de, mesmo utilizando algumas das plataformas que descrevemos acima - ou o próprio Amazon - é imprescindível que tenha sua própria loja virtual. Com uma página própria, é mais fácil rastrear e acompanhar o crescimento de sua ecommerce, além de não depender do atendimento de terceiros para tirar dúvidas ou resolver problemas, entre diversas outras vantagens.

Parcerias JivoChat: nosso programa de afiliados paga 30% recorrentes.

Como começar minha própria ecommerce?

Para te ajudar nessa tarefa, conheça esses 20 sites para começar seu ecommerce ou esses 9 plugins WordPress para seu ecommerce caso opte por usar a plataforma de blogs. Considere também adotar o chat online do Jivochat para sua loja virtual, que conta com opções para incluir o chat em aplicativos mobile e pode ser acessado de qualquer dispositivo. Conheça nossas funcionalidades e planos!

Início Blog Ferramentas 10 alternativas ao Amazon para sua ecommerce
Se você curtiu esse artigo você também pode gostar desses ...
Comece a usar o JivoChat hoje!
Gostou do que leu?
Cadastre-se e teste o JivoChat agora mesmo!
É grátis e só leva alguns minutos para fazer o download